Municípios discutem destinação de recicláveis em Ibiporã

Publicado em: Domingo, 10 de Dezembro de 2017
Fonte: Caroline Vicentini - PMI

 

 

O gerenciamento de resíduos sólidos recicláveis como papel, papelão, plástico, metal e vidro foi um dos assuntos discutidos durante o 2º Encontro de Municípios da Região 5 - Grupo R-20, realizado na última quarta-feira (06), no Centro Tecnológico do Trabalhador (CTTI), em Ibiporã.

Participaram da reunião representantes de Ibiporã, Rolândia, Prado Ferreira, Primeiro de Maio, Sertanópolis, Tamarana e Jataizinho, municípios integrantes da Região 5 (Londrina) do Grupo R-20, composta por 20 municípios (Ibiporã, Londrina, Alvorada do Sul, Bela Vista do Paraíso, Cafeara, Cambé, Centenário do Sul, Florestópolis, Guaraci, Jaguapitã, Jataizinho, Lupionópolis, Miraselva, Pitangueiras, Porecatu, Prado Ferreira, Primeiro de Maio, Rolândia, Sertanópolis e Tamarana), além do secretário de Agricultura, Abastecimento e Meio Ambiente de Ibiporã, João Odair Pelisson, o diretor de Meio Ambiente, Hélio da Silva, o diretor presidente do Serviço Autônomo Municipal de Água e Esgoto (Samae), Edvaldo de Paula, o coordenador de reciclagem do Samae, Miguel Gardini, a secretária do Ambiente de Londrina, Roberta Silveira Queiroz, a geógrafa do setor de resíduos da Sema-Londrina, Mariza Pissinati, o chefe regional da Secretaria de Estado do Meio Ambiente e Recursos Hídricos, Antonio Amaral, o gerente regional do Instituto Águas do Paraná, Alex Ribeiro, e o proprietário da Recithinner Solventes e Tinta, Rubisney Inácio Pinto, que atua no segmento de reciclagem de solventes e tintas.

Integrante do programa do governo estadual "Paraná Sem Lixões", o Grupo R-20 tem como objetivo discutir e buscar soluções para todos os assuntos relacionados a resíduos sólidos e é constituído pelos municípios que integram as 20 regiões do Estado do Paraná. A cada três meses, o grupo se reúne em Curitiba para debater e buscar soluções em conjunto sobre questões relacionadas a resíduos sólidos. Para tornar as discussões mais locais e eficientes, cada região deve realizar reuniões com os municípios integrantes.

O encontro foi conduzido pela geógrafa da Sema-Londrina. Ao fazer uma apresentação sobre o Grupo R-20 para os novos participantes, Mariza explicou que a formação do R-20 objetiva reunir os municípios para juntos buscarem orientações, soluções e prover discussões sobre a temática dos resíduos sólidos no contexto de cada região e também a execução da responsabilidade compartilhada pelo destino dos resíduos, principalmente o gerador e a implantação da logística reversa. "Desde que o grupo foi instituído, em outubro de 2015, já obtivemos algumas conquistas, como o programa "Jogue Limpo", que recolhe as embalagens de lubrificantes, o recolhimento de pneus inservíveis pela Reciclanip, a formação de associações de fabricantes como a Abividro, a Abinee, a Abrafiltros. O grupo também tem recebido apoio de instituições de ensino e pesquisa e promotores do Meio Ambiente", citou Mariza.

Além da discussão sobre a coleta e destinação dos resíduos sólidos recicláveis mais problemáticos nos municípios da Região 5, os participantes também discutiram aspectos legais envolvendo as associações e cooperativas de catadores de materiais recicláveis. "Alguns municípios da nossa região não possuem sistema de coleta de recicláveis instituído ou encontram dificuldades em questões como a fiscalização e formalização de cooperativas para a realização dos serviços. Londrina e Ibiporã foram eleitas, respectivamente, como titular e suplente, da chamada Região 5 e trabalharão junto aos outros municípios para buscar o auxílio mútuo e encontrar mecanismos de melhorias na gestão de resíduos e operação da logística reversa", disse.

Os representantes de Ibiporã avaliaram positivamente o encontro. "Esta troca de experiências é muito rica, pois os resíduos são um problema de qualquer cidade, e demandam políticas públicas urgentes. Os contatos com empresas e órgãos que possam auxiliar o poder público a melhorar práticas como coleta, destinação em locais adequados e reaproveitamento efetivo dos resíduos sólidos", argumentaram João Odair e Hélio da Silva.

 Próxima Reunião

Também ficou definido que a pauta do terceiro encontro do grupo será coleta e destinação de resíduos da construção civil, pneus, e resíduos perigosos, tais como pilhas, baterias e lâmpadas, que por se constituírem de metais pesados, os quais podem causar graves danos à saúde e ao meio ambiente, não podem ser colocados à disposição para coleta pública. O próximo encontro ocorrerá no dia 28 de fevereiro de 2018, no município de Prado Ferreira.

Logística reversa - A Política Nacional de Resíduos Sólidos (PNRS, Lei Federal 12.305/2010) define logística reversa como um instrumento de desenvolvimento econômico e social caracterizado por um conjunto de ações, procedimentos e meios destinados a viabilizar a coleta e a restituição dos resíduos sólidos ao setor empresarial, para reaproveitamento, em seu ciclo ou em outros ciclos produtivos, ou outra destinação final ambientalmente adequada.

Os resíduos em questão incluem pneus, materiais de construção civil, lâmpadas, pilhas e baterias, embalagens de alimentos, higiene e limpeza.

Por meio da logística reversa, fabricantes, importadores, comerciantes e distribuidores de embalagens e de produtos comercializados se comprometem a trabalhar de forma conjunta para garantir a destinação final ambientalmente adequada tanto de produtos quanto embalagens que colocam no mercado.